Desafios e prémios, Olhares

>A sexta fotografia :-)

>Vi este desafio no blog da Martuxa e como ela passou para quem comentou, eu comentei só para trazer o desafio hehehe, brincadeirinha!!!
Resolvi participar, porque já tinha visto este desafio em alguns blogs e achei a ideia engraçada e como compreendo que a martuxa tenha pouco tempo para passar premios e desafios personalizados trouxe este com gosto.

Então ditam assim as regras do desafio:

Vá a sua pasta de fotos no computador.

– Vá ao sexto arquivo de fotos, procure a sexta foto.
– Coloque essa foto no blog e escreva alguma coisa sobre ela.
– Convide 6 amigas para participar e publicarem suas fotos

Eu curiosa como sou, fui logo ver qual era a minha 6ª fotografia e até é uma fotografia bem bonita na minha opinião.

Trata-se de uma aldeia, perdida nas terras do demo, para quem gosta de lêr Aquilino Ribeiro saberá do que falo, é uma zona muito agreste, zona de granito, sem grandes vegetações, para além de alguns carvalho, pinheiros e giestas, é uma zona muito fria situada na serra da nave.
Esta fotografia retrata bem a zona, com o céu carregado de nuvens bem cinzentão.

É uma aldeia da qual nunca tinha ouvido falar até conhecer o meu respectivo marido e da qual detestei tudo desde o inicio, mas agora com o passar dos anos até já me habituei e consigo encontrar algum encanto na paisagem.

Anúncios
Desafios e prémios, Sumos e batidos

>Batidos e mais uns miminhos

>Quando começa a cheirar a verão e a tempo quente, deixo logo de beber leite ao pequeno almoço, isto porque como não gosto nada dele, só bebo habitualmente, porque dizem “faz bem” e como no inverno não me sabem bem coisas frias logo de manhã, não me sabem bem os iogurtes nem os batidos.

Por isso logo que começa a aquecer lá vem eles.

Este é de banana, digo eu!!!, porque no fundo leva tudo 🙂

1 iogurte natural (sólido)
1 banana bem madura
4ou 5 bolachas maria
1 kiwi

E…. só se for necessário!!! um cheirinho de leite, para que a coisa se beba em vez de comer á colher 🙂

Com uma torradinha do pãozito que se faz cá em casa e já está a barriguinha bem composta para a luta do dia a dia hehe

Agora mais uma onda de prémios e selinhos que me ofereceram, um veio da amiga Babalu do blog babalgias que diz que o meu blog é de ouro

Quem receber este prémio deverá:

1-Oferecer o selo a blogues que têm estilo de ser…

2-Exibir a imagem do selo no seu blog

3-Avisar por comentário os blogues que foram nomeados

O outro veio da minha querida amiga Neyma do vómindoca que me ofereceu dois, mas como um já tinha trouxe só o da mulher sarl que passo a publicar

E as regras são:
1ª- Exibir a imagem do selo “Mulheres-Sarl” e escrever essas regras abaixo dele.
2º – Passar este selinho para 10 blogueiras que vocês considerem mulheres especiais em seu trabalho e criatividade.
3ª- Solicitar dos blogs indicados que se tornem seguidores do blog mulheressarl
4º – Deixar recadinho nos blogs indicados e verificar se os mesmos se tornaram seguidores
5ª- Colocar quem te deu o selo nos seus blogs indicados .

Eu vou seguir o ex. da Neyma, porque gostei da ideia e vou passar para as meninas que comentaram no post anterior, por isso e como são sempre as mesmas fãs, (vale mais poucas mas boas 🙂 toca a levar os selinhos que são lindos.
Há que ir confirmar quem comentou, se não sabem hehe
Carnes

>Pipis ou serão moelas

>Estes pipis nome por que é conhecido um petisco muito comum em tabernas e restaurantes mais antigos e tradicionais, é usualmente servido em lanches ou petiscadas, com bastante molho para molhar o pão, também em entradas e até como prato principal, como foi o caso cá de casa.

Feito habitualmente com miudos de galinha, cá em casa é mesmo só com as moelas.
1 embalagem de 500gr de moelas
2 cebolas
4/5 dentes de alho
Um tomate madurinho/polpa de tomate
Uma folha de louro
Sal e pimenta q.b.
Vinho branco
Azeite
Em primeiro lugar há que lavar muito bem as moelas e raspar alguma pele interior indesejável, há quem diga que se deve esfregar com vinagre, eu passo nesta parte.
Depois cortar a cebola em meias luas grosseiras e picar os alhos também de modo grosseiro.
Meter tudo dentro da panela de pressão, com o azeite, meio copo de vinho e meio copo de água, sal e a folha de louro.
Tapar a panela e levar a cozer durante 15 minutos contados depois de começar a ferver.
Abrir a panela e juntar o tomate pelado e/ou polpa de tomate, neste caso juntei só meio copo de polpa de tomate de alho e cebola da qual fiquei fã, juntar os temperos a gosto, pimenta ou outros e deixar apurar o molho.

Fica um molhinho grosso mesmo bom para molhar o pão.
Mas para além disso como serviu de almoço, comemos com um arrozinho de cenoura e ervilhas, feito á moda do arroz branco cá de casa, tudo cozido só no dobro da água, com uma folhinha de louro e sal.

Tofu

>Tofu á Gomes de Sá

>O Tofu que comprei para experimentar a muamba, era uma embalagem de 500gr, mais do que o recomendado, por isso e como achei que já era demais para dois, cortei-lhe duas fatias, com intenção de experimentar o tofu panado que vinha na embalagem.

Conclusão!! a Mary minha fonte de inspiração da tofulandia, comentou que era preferivel eu ter começado pelo tofu á gomes de sá, logo achei que sempre era melhor do que fritar e meti mãos á obra 🙂

A receitinha da Mary passo-a só para que conste para a posteridade, como referencia, porque as quantidades que eu fiz foram a olhóóómetrooo, como é habitual cá em casa.

-400g de nacos de tofu
– 800g de batatas
– 3 ovos
– 0,5 dl de azeite
– 2 cebolas
– 5 alhos
– 1 folha de louro
– Pimenta, sal e salsa

Cozer as batatas e os ovos, cortar em cubinhos e reservar.

Num tacho, aquecer o azeite com as cebolas e os alhos cortados, e a folha de louro, até ficarem bem douradinhos.

Juntar o Tofu cortado aos cubinhos e deixar cozinhar mais um bocadinho.

Depois envolver tudo com as batatas e deitar por cima os ovos cozidos partidos aos cubinhos e polvilhar com salsa picada.

Ficou muito bom, mas o melhor foi o desabafo do marido, que se sente uma cobaia, nestas minhas experiencias 🙂

Doces de colher

>Maçã assada

>

Maçã assada é uma coisa que não tem sabedoria nenhuma, toda a gente faz, mas há umas mais caprichadas que outras.

Estas maçãs nem são as mais próprias para assar, mas para aproveitar o forno quente e umas maçãs que me tinham dado pequenas e defeituosas lá foram para o forno.

Eu quando as maçãs são grandes retiro-lhe o caroço inteiro, nestas pequenas retirei apenas o “olho”

Esta covinha encho com vinho do porto, depois deito açúcar amarelo até embeber todo o vinho

Deito mais vinho do porto em volta e uns borrifos de água.

Polvilho tudo com canela e vai ao forno.

Para servir costumo polvilhar o pratinho com canela e coloco a maçã em cima com o molho

Carnes

>Pato assado com cerveja

>

Este pato é um habitué em casa da minha mãe e fica muito bom.
Basta temperar o pato a gosto de vespera.
Eu temperei com alho, louro, sal e a cerveja.
E no dia antes de ir para o forno untei-o com uma pasta mole de colorau, alho em pó, azeite e sumo de limão.
Meter o dito no forno com o caldo da marinada e deixar assar muito lentamente.

O acompanhamento foi
umas rodelas de laranja,

umas batatinhas e cenouras salteadas em azeite no forno á moda cá de casa, depois de levarem uma fervura em água.
Máquina de Fazer pão, Pão

>Pão /Fermento/Tempos de cozedura

>

Ao longo do tempo que temos a máquina de fazer pão, já fizemos várias experiências e todas com sucesso, algumas com pequenos pormenores menos conseguidos.

Uma conclusão a que já chegamos é que normalmente o fermento nas receitas é sempre demais , se se meter menos o pão cresce igual, sendo que se metermos demais o pão cresce muito e depois baixa no meio, já tenho visto isto em varios blogs e penso que é disso.
Para além disso as farinhas próprias para máquina de pão do Lidl tem fermento suficiente para se misturar com outras farinhas sem ser necessário juntar mais, as da nacional não sei porque ainda não experimentei

Estes dois pães são um exemplo do que digo, os dois foram feitos com a mesma quantidade de farinha própria para pão com igual quantidade de farinha de trigo 65, só que num juntámos 1/3 de fermento vahiné e no outro não juntámos fermento nenhum.
O segundo ficou redondinho em cima.

250 gr de farinha para pão rustico
350 gr de farinha 65
400ml de água
Uma colher de sopa de sementes de linhaça
Uma colher de sopa de sementes de sesamo
Uma colher de sopa de sementes de girassol
sal esqueci-me e também não fez falta.

Quanto ao tempo já experimentei fazer o pão de 1kg escolhendo a opção de 700gr e o pão ficou bom na mesma.

Gostava de lêr as experiencias e opiniões de outras amigas experientes na panificação 🙂