Doces de colher

>Mousse de Framboesa

>

Uma mousse bem fresca e sem natas para a engorda e para o colesterol, esta receita foi retirada do livrinho doce da Nestlé, um livro que pedi de oferta com codigos de barra ou qualquer coisa parecido, mas cheio de coisas boas, melhor do que muitos caros que por vezes se compram.
Resolvi fazer esta mousse para aproveitar uma caixa de framboesas congelada que tinha no congelador já nem sei há quanto tempo, aliás nem quis ver a validade, não sou fanática de validades desde que as coisas mantenham o aspecto original e dependendo do tipo de produtos eu uso na mesma. Tenho atenção quando os compro, mas depois cá em casa ás vezes há uns descuidos…..

1 Lata de Leite Condensado Nestlé
4 Folhas de gelatina branca

300 g Framboesas
2 Colheres de sopa Sumo de limão
3 Claras de ovos

Demolhe a gelatina em três colheres de água fria durante alguns minutos. A seguir dissolva-a em banho-maria.

Bata no liquidificador o leite condensado, as framboesas, o sumo de limão e a gelatina dissolvida. Acrescente as claras em castelo e misture delicadamente.

Coloque a mousse em taças pequenas ou numa grande e leve ao frigorífico durante pelo menos 3 horas.

No momento de servir pode-se decorar as taças da mousse com chantilly, framboesas e hortelã, eu não fiz nada disso, mas deixo a sugestão da nestlé.
Anúncios
Doces de colher

>Leite de creme

>Leite de creme como diz o meu pequeno, é a sobremesa favorita dele e eu de vez em quando faço, tenho já outras receitas por aí, esta foi mais uma a testar, menos açúcar, menos ovos e um resultado igualmente excelente aprovadissimo.

1 litro Leite
150 gramas Açúcar
60 gramas Farinha
1 casca de limão
3 a 4 gemas de ovo, eu usei 4

Coloque o leite a ferver com a casca de limão.

Bater muito bem as gemas com o açúcar e no fim juntar aos poucos a farinha e adicione progressivamente e mexendo sempre leite quente aos pouquinhos.

Logo que já tenha passado o perigo de talhar as gemas, juntar ao restante leite fervente.

Leve de novo ao lume e deixe ferver durante alguns minutos, mexendo sempre, até adquirir uma consistência menos líquida e a farinha estar cozida.

Retire a casca de limão e coloque numa taça ou em taças individuais.

Polvilhe com açúcar e queime com um ferro quente, ou se preferir pode polvilhar apenas com canela.

Deixe arrefecer bem no frigorífico, nós cá em casa gostamos de comer mesmo morninho, com açúcar ou canela para os adultos é indiferente para o pequeno é mesmo sem nada.

Doces de colher, Pudins

>Forminhas, pudim dos copos e outros

>

Esta receita é bem velhinha, estava no meu primeiro livro de receitas, escrito á mão por mim desde os 13 ou 14 anos ou menos, como não tem datas já não me lembro, as forminhas é que são novinhas e a inspiração (das formas claro) vem do blog da Claudia, um blog que sigo com atenção, não só pelas receitas, mas pelo que ela escreve e pelas opiniões dela e pelos artigos que já muitas vezes me fizeram rir e com os quais tenho aprendido bastante e por falar nela escreveu há pouco um artigo bem engraçado acerca da autoria das receitas, com a opinião dela e com um extrato de um texto que eu aproveito para deixar aqui também, achei engraçado e nunca tinha pensado neste assunto assim, apesar de ser uma coisa que ás vezes me “perturba” um pouco, pelo stress que se nota nos blogs, onde se reclamam citações, cópias e autorias.
Uma das coisas mais interessantes em culinária é a ilusão da autoria de uma receita.

E concordo com o que o artigo contém, porque, se procurarmos nos kiosques  e nas livrarias as revistas de culinaria e os livros que nascem como cogumelos por aí, lá encontramos aquela receita que todas temos nos nossos caderninhos escritos há mão de há anos, que passaram de mães para filhas ou daquela amiga especial, uma receita se não igual, muito semelhante em que a unica coisa que muda muitas vezes é uma graminha disto ou daquilo ou algum ingrediente.
Eu mesma, já tenho escrito por aqui, mais que uma vez, que se tentarmos procurar uma receita qualquer na net encontramos a mesma em milhões de blogs e sites e fica a dúvida de qual devemos citar, o que a publicou primeiro, ou vamos citar o que citou a “verdadeira” fonte e se assim é, quem é a verdadeira fonte??
Ainda há bem pouco tempo vi num blog uma receitinha de batatas assadas á minha maneira e em que estava indicado como sendo de um cozinheiro famoso, mas a minha fiz assim por mero acaso e resultou bem. Enfim como diz o artigo a maioria das receitas são clássicos da culinária daqui e dali com pequenas adaptações e porque como ela mostrou receitas culinárias estão fora dos direitos de autor na convençao de berna, eu sinto-me á vontade para colocar ou não de onde retirei a receita, este artigo dela deixa-me mais á vontade para o fazer e continuarei a faze-lo se isso me der prazer, ou não, se pura e simplesmente não me diz nada o sitio de onde retirei, como já vinha fazendo.

E porque se as pessoas colocam na net as suas receitas, tal como eu é porque gostam de partilhar, eu tenho aprendido muito com o blog, seja receitinhas, seja ideias na forma de apresentar o produto final e estas forminhas para substituir a tradicional forma grande,  foi uma dessas ideias que adorei e logo que pude comprei igual, não para imitar ninguem, apenas gosto de aproveitar as boas ideias e gosto de as partilhar para que alguem possa também aproveitar delas se assim o entender.
Cá estão num pudinzinho que adoro e que já a minha mãe fazia, porque era o meu pudim favorito, agora se há meio mundo que tem a receita igual, ainda bem é sinal que ele é mesmo bom 🙂
Doces de colher

>Semifrio de Diospiro

>Este semifrio é especialidade de um amigo que tem muitos diospiros biológicos e normalmente congela para o ano inteiro, para fazer sobremesas ou comer ao natural.

Este doce é simples de fazer e fica uma delicia.

As quantidades depende do tamanho que se quiser fazer

Diospiros bem madurinhos
Natas longavida
Açúcar só duas colheres de sopa por pacote.
Bolacha maria ralada
Nozes e vinho do porto a gosto.


Bater bem as natas em chantily  e quando estiverem bem firmes juntar o açúcar e bater mais um pouco.

Depois é só montar em camadas bolacha ralada no fundo, natas e mais bolacha , terminar com natas.

Por cima por o diospiro sem peles e triturado com a varinha, com umas gotas de vinho do porto e nozes picadinhas, este não levou.


Levar ao frigorifico até a hora de servir também se pode congelar e retirar uma hora antes para não ficar tão duro, fica muito bom.

Doces de colher, Leite condensado

>Baba de camelo

>Este é um clássico da doçaria, quem não sabe fazer?! pois eu já fiz algumas vezes mas nunca publiquei aqui e resolvi faze-lo agora, porque desta vez consegui que ficasse sem “babar” demais, porque normalmente ficava sempre muito pingão.

Andei a ler umas coisas sobre isso e experimentei bater muito bem as gemas com o leite condensado, durante pelo menos uns 5 minutos, com a taça em cima de uma panela com água fervente, não sei se foi por isso, ou se foi por bater mais, mas a verdade é que resultou.

1 lata de leite condensado cozido
6 ovos

Separei as claras das gemas e bati muito bem as primeiras em castelo muito firme e depois bati as gemas com o leite condensado como disse no inicio.

Envolvi as claras no creme e levei ao congelador nos primeiros 20 minutos e depois retirei para a parte de baixo do frigorifico.

Ficou com uma consistência excelente.

Ananás, Doces de colher, Leite de coco

>Bavaroise de ananás e coco

>Esta bavaroise fiz no natal a pedido do meu irmão que queria alguma coisa mais fresca para variar aos fritos tradicionais, para não fazer as mousses do costume procurei algo diferente, gostei de uma receitinha que encontrei, mas as alterações foram tantas que o resultado pouco ou nada tem a ver com a original.

400 g de Ananás em calda
1 embalagem de gelatina de ananás
1 copo de iogurte cheio de calda do ananás.
2 dl de Leite de coco
1 iogurte natural
2 dl de Natas frias
100 g de Açúcar

Corte o ananás aos pedaços e distribua-os por numa forma que dê para desenformar

Leve ao lume a calda do ananás com a gelatina até dissolver bem.

Bater muito bem as natas com o açúcar em chantily, envolva o leite de coco e o iogurte, junte a gelatina e verta para a forma.
Leve ao frio até solidificar.
Desenforme.

Fica um doce muito agradável, o sabor do coco combina muito bem com o ananás.

Para agradar a outros houve ainda mais qualquer coisita, nada de novo aqui para o blog. 

Doces de colher

>Gelatina de frutas

>

Esta é uma forma diferente de apresentar a gelatina , muito fresca para o verão e excelente para aproveitar frutas quando há muita e não se prevê consumi-las em tempo útil.
Receita não há, é só fazer as gelatinas segundo as instruções das embalagens, fazer várias de cores diferentes para dar um efeito colorido.
Depois é só meter numa taça a primeira e meter dentro a fruta a gosto, levar ao frigorifico ou ao congelador para acelerar o processo de solidificação.
Quando esta primeira gelatina estiver dura, deitamos por cima a próxima cor e mais fruta, a combinar com a cor ou nem por isso e novamente o mesmo procedimento até acabar as gelatinas.
Eu usei só uvas e pessegos e mas usei 4 gelatinas diferentes, porque tinha feito uma grande quantidade de gelatinas para a festa de anos do meu menino.