Quinta, Sumos e batidos

>Batido de pêssego

>

Nesta época do ano cá em casa abundam os produtos da nossa produção, 100% biológicos e esta é mais uma caixinha de pêssegos que veio lá da quinta já em junho, a fruta desta altura do ano e os citrinos são as unicas  que conseguimos comer em paz, sem procurar as proteinas que por lá poderão andar, porque depois destes calorões de agosto vem tudo com recheio.
Do que eu me lembro de quando era pequena nas quintinhas do meu avô,  perdidas lá no meio da serra da estrela num ambiente bem purinho, longe da poluição e dos tratamentos quimicos em massa, as frutas poderiam ter um furinho e lá dentro encontravamos um bichinho, mas nada parecido com o que acontece por aqui, a fruta apodrece inteirinha em cima das árvores e eu esquisitinha como sou nestas coisas já nem lhe toco.

Dizem os vizinhos lá do sitio que é devido a uma famosa mosca mediterrânica que habita estas paragens e como nada é tratado e tudo é 100% biológico ela aproveita bem para se encher de comer as nossas frutinhas.
Nesta altura do ano, penso que a famosa mosca ainda está a hibernar e não ataca, porque a fruta desta época não tem bicho nem apodrece e por isso comemos bastante, pena que as árvores ainda são pequeninas e dão pouco.
Destes pêssegos, resolvi não fazer doce, porque estavam bons demais, docinhos e sumarentos e o menino adorou por isso a unica coisa que fiz para além de os comer ao natural foi uns batidinhos para o nosso lanche.

Assim para cada copo bem espesso meti

1 chávena de pêssegos descascados e sem caroço
1 iogurte natural
2 colheres de sopa mal cheias de nestum
2 colheres de sopa de leite só mesmo para ficar um bocadinhos menos espesso.

Tudo no liquidificador e já está, levei um bocadinho ao frigorifico para ficar bem fresquinho ficou uma delicia.
Anúncios
Olhares, Quinta

>Novidades da quintinha biológica

>

Depois de bastante tempo sem ir á quinta, por causa das férias e das visitas á familia, aproveitámos os ultimos fins de semana e parte dos feriados, para ir até lá e enquanto o marido se mata a cortar a erva, já que teima em não usar pesticida para acabar com ela, é a erva que acaba com ele, para cortar tudo vê-se grego.
Eu aproveito para apanhar alguma coisa que milagrosamente lá cresce, mesmo sem tratamentos, nem rega, nem outros cuidados que os vizinhos dizem ser necessários.

Aproveito para tirar uma fotografias aos bichinhos que por lá andam, os nossos (caracois, borboletas e passarinhos) e os dos vizinhos (os carneirinhos, galinhos e gatinhos…)

E aproveito também para tirar umas fotografias ás poucas flores que por lá aparecem, a maioria selvagens, algumas das árvores de fruto, ou de algum vizinho, porque jardinar as minhas é dificil, já tentei plantar tulipas, mas não resistiram a semanas de abandono, já tentei fazer um jardim de cactos, mas perderam-se no meio de tanta erva!!!as roseiras e os hibiscos são as unicas que lá vão resistindo,

Agora já aproveito também para dormir umas sonecas na rede que trouxe do brasil, uma delicia, pena que ainda não encontramos o sitio ideal, para a pendurar!!

Olhares, Quinta

>A exuberancia da primavera

>Mais um domingo de agricultura e fotografia, adoro fotografar tudo que mexe e consigo andar uma tarde de máquina em punho para apanhar seja o que for.

Os vizinhos velhotes lá da quinta é que devem pensar “coitado do vizinho em vez de ter uma mulher para lhe ajudar na agricola tem uma maluca que passa o dia parada no meio da quinta com uma máquina fotografica hehe farto-me de rir só a pensar no que eles pensarão hehe.
Então este domingo, foi um manacial de modelos, é uma maravilha observar a natureza em mudança, e vêr que a primavera está a chegar, os passarinhos numa doideira a esvoaçar por todo o lado a correrem uns atraz dos outros, com palhinhas no bico a cantarolar belas canções, as borboletas a pairar as abelhinhas a fazer a polinização e as árvores de fruto todas a rebentar em flor, observando assim consigo entender uma colega de pinturas (mais velha) que dizia que a primavera tinha energia demais para ela.
As rolinhas que por lá fazem os ninhos e cantam e encantam.

Parecem mesmo numa de romance

Estas foram dificeis de apanhar, porque não param, e só abrem as asas no instante em que param, o que torna quase impossível apanhá-las

Os pessegueiros lindos!!!!

As ameixoeiras branquinhas que parecem de neve!!!

E as abelhinhas que não descansam nem um bocadinho no seu trabalhinho!!!

E estas sempre ali no seu ninho altaneiro a provocarem-me com o bater dos bicos!!!! sim as cegonhas quando estão no ninho batem os bicos num matraquear que se ouve longe, não sei que tipo de ritual será!!!de namoro concerteza 🙂

Mas desta vez a agitação era tanta que não me escaparam 🙂