Atum, Entradas e petiscos, Rissois e pasteis

>Pasteis de atum no forno

>

A minha mãe sempre me disse que eu tenho mais olhos que barriga, ou seja não posso ver nada, que quero logo comprar ou fazer para provar, nem que depois não goste, não foi o caso destes pasteis maravilhosos, assim que os vi no blog da Claudia a rirem-se para mim
fiquei logo em pulgas para fazer, só tinha a dúvida se iria encontrar o queijo de que ela fala, porque nunca o tinha visto por cá e sem saber que tipo de queijo é, poderia não sair bem.

Mas afinal foi fácil encontrei logo no sitio do costume, queijo ricota.

A vontade de os fazer foi não só pelo recheio que eu adoro, mas principalmente pela massa, só de queijo e farinha, sem ponta das gorduras habituais neste tipo de massa e também porque me fizeram lembrar um pastelão de atum que costumo comer numa pastelaria da Covilhã sempre que lá vou e que adoro.

A receita dela que eu cumpri á risca, para não falhar nada fiz apenas uma pequena proporção para a farinha, porque a embalagem de queijo de cá tem 250 gr em vez dos 300gr que a receita manda.

1 embalagem de queijo ricota 300gr
250gr de farinha
sal a gosto
Gema de ovo para pincelar.

Primeiro transferi o queijo para uma taça grande e juntei a farinha pouco a pouco, primeiro amassei com uma colher de pau e depois com as mãos, a farinha juntei pouco a pouco, para ter a noção de quando a massa estaria pronta para esticar sem se colar ás mãos, o sal não meti, porque provei em cru e não me pareceu precisar, mas quando se prova depois de cozido sente-se a falta de uma pitadinha, mas o marido disse logo que não lhe faz falta…
O recheio foi mais ou menos á minha maneira.
1 cebola média
2 dentes de alho picadinho
1 lata de atum pequena 120gr
1mão cheia de azeitonas
1 fatia pequena de pimento vermelho
1 cubo de polpa de tomate caseiro
Azeite q.b.
Meio copo de vinho branco

Tudo muito picadinho a refogar no azeite, refresquei com um bocadinho de vinho branco, para não fritar a cebola e porque estava a ficar muito seco.

Depois foi só esticar a massa na pedra enfarinhada e cortar rodinhas com um copo, uma nota é que esta massa estica-se que é uma delicia.
Em cada rodinha meti uma colher de chá do recheio e foi até acabar a massa e o recheio que por acaso acabaram mais ou menos ao mesmo tempo.

Por num tabuleiro forrado de papel vegetal e pincelar com gema de ovo dissolvida num pouco de leite
Cozi em forno pré-aquecido a 200º mais ou menos 20 minutos
Os meus pasteis ficaram pequeninos, tamanho de rissois e deu 24 pasteis, mas isso depende do tamanho do copo que se usa para cortar a massa.
Anúncios
Peixe, Rissois e pasteis

>Rissois

>

Ora ai está uma coisa que nunca tinha feito nem pensava vir a fazer, mas como dizem a oportunidade faz o ladrão.

Como a senhora que toma conta do meu pai é cozinheira de profissão (desempregada) resolvi aproveitar os ensinamentos dela nos dias que estive em casa da minha mãe.

O meu papel nestes rissois resumiu-se á parte de passar pelo pão ralado.

Não me pareceu nada dificil, nem a massa nem o recheio, pareceu-me muito demorado, porque estivemos as duas de volta daquilo uma hora e meia.

Começá-mos pela preparação do recheio, em que podemos variar a gosto, neste caso foi de pescada.

Faz-se um refogado com uma cebola média picada muito fininha, com azeite até a cebola estar transparente, depois junta-se um bocadinho da água em que se cozeu o peixe e deixa-se apurar. Junta-se o peixe desfiado sem peles nem espinhas e mais um bocadinho de caldo, deixa-se cozinhar, tempera-se a gosto, pode-se juntar um caldo knorr.

No fim desfaz-se uma colher de farinha num copo de água e vai-se juntando ao peixe até o molho ficar creme.
Entretanto fomos começar a preparar a massa e nesta parece que é regra por a farinha em igual quantidade da água.

Neste caso medimos um litro de água e a mesma medida do copo de farinha.

Coloca-se a água ao lume com 100gr de manteiga (isto foi a olho) e uma pitada de sal, quando levanta fervura deita-se a farinha de uma só vez e mexe-se bem até se descolar do fundo do tacho, em seguida vira-se para cima da banca e assim ainda quente amassa-se um bocadinho com as mãos e forma-se uma bola.

Depois vem a saga de estender a massa, e fazer os rissois, ou seja estica-se a massa e colocam-se colheradas de recheio, dobra-se a massa e corta-se com um copo de vidro do tamanho que se pretender.

No fim de tudo, passam-se por ovo batido e pão ralado e colocam-se num tabuleiro.

Esta quantidade deu mais ou menos uns 46 rissois, de tamanho médio, nem pequeninos, nem aquele tamanho grande que ás vezes se vê 

E toca a fritar para comer ou congelar para melhores dias