Bolos, Tartes

>Bolo/tarte de maçã

>Mais um bolo/tarte de maçã e este é dos poucos que eu faço já quase a olho, sem balança sem batedeira, rápido e eficiente, sai sempre bem, salvo raras excepções e este foi o caso, porque com a pressa não deixei cozer bem e o fundo saiu um bocadinho colado á forma, mas não foi por isso que não se comeu.

Normalmente desenformo e volto a virar para outro prato e fica muito mais bonito, mas desta vez ficou mesmo de cara amarrada.

4 ovos
2 iogurtes naturais
10 colheres de sopa de açúcar
8 colheres de sopa de farinha
+/- 20gr de manteiga
3 ou 4 maçãs medias ou grandes

Bater ligeiramente á mão os ovos com o açúcar e juntar os iogurtes e a farinha batendo mais um bocadito.

Juntar a manteiga derretida e as maçãs descascadas e fatiadas fininhas e envolver tudo.

Deitar o preparado numa forma de preferencia sem buraco ou de aro de abrir, untada e polvilhada com farinha.

Levar ao forno a cozer a 200º durante 30 a 40 min.

É um bolo que não cresce muito e fica tipo enqueijado como eu adoro, as maçãs sobem enquanto coze, por isso fica mais bonito se depois de desenformar se virar para outro prato, para ficar com as maçãs á vista.

Anúncios
Leite condensado, Tartes

>Tarte Árabe.

>Há algum tempo que fiz esta tarte, tinha que fazer um doce para levar para casa de um amigo e á ultima hora não tinha ovos, logo esta foi uma alternativa simples e rápida.
Ainda que este é o tipo de sobremesa que eu raramente faço, pela grande quantidade de natas, mas como era para dividir por muita gente, nada a opor.
Retirei a receita do livro doce da nestlé.

1 Lata de leite Condensado

4 dl de natas
5 folhas de gelatina branca
3 colheres (sopa) de água
100 g de pistácios moidos(substitui por meio pacote de bolacha maria porque não tinha os ditos)
Cacau em pó

Ponha as folhas de gelatina de molho em água fria.
Bata bem as natas até que fiquem consistentes.
Junte-lhe o leite condensado continuando a bater.
Leve as folhas de gelatina, já demolhadas, com três colheres de sopa de água fria ao lume em banho-maria até dissolver completamente.

Polvilhe uma forma de tarte com os pistácios moídos e deite o creme por cima.

Decore com os restantes pistácios e o cacau em pó.

Leve ao frigorífico algumas horas antes de servir

Bolos, Tartes

>Tarte de maçã com vinho do porto e canela

>

Em época de maçãs, eu tenho a garagem cheia delas, não são da minha quinta, porque essas ganham proteinas demais e não se conseguem comer, estas vieram de uma zona de maçã por excelencia cá no burgo, a zona de Moimenta da Beira, de uns primos.
Por isso e antes que se estraguem há que procurar coisas para as gastar, para além do puré e das maçãs assadas tenho feito uns bolinhos e esta tarte fui buscá-la á turbolenta do petiskaky.
3 maçãs reinetas(usei golden)
250 grs de açúcar
100 gr de margarina (ou manteiga) eu usei manteiga de soja.
5 ovos
1 colher sobremesa rasa de canela
½ cálice de vinho do Porto seco(usei geropiga)
200 gr farinha Branca de neve superfina
Manteiga para barrar a forma e farinha para polvilhar
Bater muito bem os ovos inteiros, com o açúcar, a manteiga derretida, o Vinho do Porto e a canela, até a massa fica espumosa e com bolhas. Eu substitui o vinho do porto por geropiga, porque foi o que encontrei cá em casa, mas afinal havia nagaragem também umas garrafas de vinho do porto caseiro, fica para a próxima.
Depois junta-se a farinha de uma só vez e bate-se mais um bocadinho com a máquina.
Deitar esta massa numa forma ou tabuleiro untado e polvilhado de farinha e por cima dispôr uma camada de maçãs descascadas e cortadas em gomos não muito finos, eu meti só uma camada e se tivesse levado mais ficaria ainda melhor.
Polvilha-se com açúcar e vai ao forno, com ventilação basta 180º e deixar cozer, o tempo depende do tamanho da forma, verificar com um palito para confirmar.
Fica um bolo fofo, mas com uma certa humidade no cimo pelas maçãs e um certo crocante pelo açúcar tostado em cima.
O filho para variar pede para provar no dia seguinte, mas nós dois nem precisamos da ajuda dele para acabar com o bolo em dois dias, fica muito bom.
Tartes

>Tarte de maçã

>Esta tarte fiz para aproveitar umas maçãs que estavam já a passar do limite do bonito para a vista.
Habitualmente quando faço tarte de maçã, faço sempre uma que já tenho por aqui, mas resolvi variar, para ver se o pequeno comia, já que gosta muito de leite creme e esta tem uma base que é quase isso.

1 base de massa folhada de compra
5 dl de leite
100 gr de açúcar
1 gema
2 colheres de sopa cheias de farinha maizena
2 maçãs grandes

Colocar a base de compra numa forma de tarte.
Misturar a farinha maizena com o açúcar e com a gema, bater bem e dissolver com um bocadinho de leite.

Levar o restante leite ao lume e logo que levante fervura juntar a mistura da maizena com cuidado para não ganhar grumos, deixar ao lume até engrossar e deitar na forma da massa folhada.
Cortar as maçãs aos gomos bem fininhos e dispor em cima do creme, eu fiz só uma camada e sobrou maçã…mandam as regras que se regue a maçã com sumo de limão para não oxidar, eu não faço nada disso e ficou linda

Polvilhar com açúcar e canela e levar ao forno a 200º mais ou menos 20 min, ou até as maçãs estarem douradinhas e massa cozida.

Mamã eu como amanhã tá bem??!!

É claro que a fatia ainda estaria lá hoje á espera se não fosse estar tão boa e os devoradores do costume não dessem conta dela 🙂

Tartes

>Tarte de coco

>Esta tarte fiz para levar para a sogra que fez 80 anos, mais uma data para comemorar, como a minha cunhada me disse que ia levar um bolo de ananás e uma sobremesa de morango, resolvi fazer algo sem frutas e também a pedido da minha cunhada fiz uma tarte, porque ela gosta e diz que não lhe saem bem, para além disso eu sei que ela adora coco, juntei o util ao agradável e saiu esta tarte, que vem nos livros da manteiga mais famosa cá do burgo, que diga-se tem umas receitinhas muito boas.

Eu quando ainda não era tão internauta, costumava comprar as revistas da mesma, porque trazia sempre coisas que experimentava, agora deixei de comprar, não só pelo dinheiro, mas pelo espaço que ocupam e pela dificuldade de consulta, nunca sabemos em que revista saiu isto ou aquilo, de que gostamos quando a comprámos!!! por isso fartei-me de comprar revistas!! e quando preciso algo, consulto aqui o meu vidente, muito mais eficiente na procura.

200 g de farinha
75 g de açúcar
100 g de margarina
Vaqueiro 1 ovo
Para o recheio:
400 g de açúcar, (meti só 300gr)
1 dl de água
1 limão
125 g de coco
4 ovos
Misture a farinha com o açúcar, junte a margarina Vaqueiro em bocadinhos e trabalhe em areia com a ponta dos dedos.
Junte o ovo e amasse até ligar todos os ingredientes.

Forre o fundo e os lados de uma forma de tarte com a massa e deixe repousar enquanto prepara o recheio.

Leve ao lume o açúcar com a água, o sumo e a raspa da casca do limão. Eu reduzi o açúcar, porque a primeira vez que fiz ficou doce demais e assim sabe mais ao limão.

Deixe ferver durante 5 minutos.
Numa tigela, deite o coco e os ovos e misture bem.
Adicione a calda de açúcar em fio, sem parar de mexer.
Deite o creme na tarte e leve a cozer em forno médio (180º C) durante cerca de 45 minutos, eu deixei só 35, fica mais cremosa, tipo quindim.
Desenforme depois de fria.

Fotografias do interior não tirei porque me esqueci da máquina em casa, falha gravissima :-)mas ficou deliciosa.

Tartes

>Tarte de ameixa e amendoa

>

Andava eu á procura de uma receita de tarte de ameixas, para gastar a produção da quinta que foi grande e amadureceram todas ao mesmo tempo, logo tenho que inventar para não haver desperdicio e não encontrava nada ao meu gosto, lembrei-me de ir cuscar no blog da Claudia , que tem uns docinhos deliciosos de babar e sabia que encontrava lá alguma coisa ao meu gosto.

As ameixinhas lá da quinta, docinhas docinhas 🙂

Pois é, encontrei esta tarte que ela fez com mirtilhos, eu pensei se tem tão bom aspecto com os ditos porque não experimentar com as ameixinhas.

Ficou um verdadeiro manjar dos deuses, uma massa e recheio tão suaves que parece de veludo, o sabor da amendoa fica sublime e a combinação com as ameixas também resultou muito bem.
Passo a receita dela na integra para não falhar nada, faço apenas algumas correcções a termos usados em português cá de portugal 🙂 e as minhas alterações, que não sei se influenciaram o resultado final.

Massa:

200 gramas de farinha de trigo
120 gramas de manteiga gelada
100 gramas de açúcar em pó (eu usei normal)
50 gramas farinha de amendoas
2 gemas
Algumas colheradas de água fria se necessário (não usei)
Preparação:
Num processador misture o açúcar de confeiteiro com as amendoas e processe até formar uma farinha fina. Eu misturei mesmo á mão, não ficou uma mistura tão fina.
Transfira para uma superfície limpa e seca.
Adicione a farinha, misture e forme um círculo.
Adicione a manteiga e misture usando as pontas dos dedos.
Adicione as gemas e continue misturando até formar uma massa tipo farofa grossa, eu enganei-me e juntei logo as gemas ao mesmo tempo da manteiga!!

Se a massa estiver seca, dependendo das condições do ambiente, da farinha e da manteiga, adicione colheradas de água gelada até dar o ponto e formar uma massa homogênea mas nada grudenta, eu não usei água, porque me pareceu que a massa estava já suficientemente humida e não precisava.
Forme uma bola, enrole em pelicula aderente e leve a massa ao frigorifico por uma hora, a minha esteve menos tempo.

Retire do frigorifico e forre uma forma de tarte com a massa e leve novamente ao frio, enquanto prepara o recheio, eu não consegui estender com o rolo , porque a massa quebrava, tive que estender com as mãos directamente na forma.
Recheio:
500 gramas de mirtilos ou outra fruta que você preferir usei 400 gr de ameixas
3 ovos
100 gramas de açúcar
120 gramas de farinha de amendoas
Açúcar em pó para decorar, a pressa para provar era tanta que me esqueci
Preparação:
Lave levemente as frutas, deixe-as secar e reserve.
Separe gemas e claras.
Numa taça de vidro bata as gemas com 50 gramas de açúcar até esbranquiçar.
Adicione a farinha de amendoas às gemas e bata um pouco mais para incorporar.
Bata as claras e quando começar a formar uma espuma adicione as 50 gramas de açúcar restantes.
Misture delicadamente, usando uma colher de pau ou espátula, as claras à mistura de gemas. Adicione as frutas e misture mais um pouco, eu usei as ameixas sem caroço mas com a pele, partidas aos pedacinhos

Distribua o recheio sobre a massa de tarte

e leve ao forno pré-aquecido a 190C. por 40 minutos ou até que a massa da torta e a cobertura do recheio estejam douradas.

Ficou uma delicia

Abobora, Tartes

>Tarte de abobora

>A saga das aboboras não tem fim.

Este fim de semana fui jantar a casa de uns amigos e como estão sempre, á espera que eu leve a sobremesa, fiz esta tarte para levar, porque andava com vontade de a fazer para aqui postar, assim aproveitei porque cá em casa já estamos um bocadito pelos cabelos com a abobora e assim divide-se por mais 🙂
É uma receita já bastante antiga cá em casa, faz parte ainda, do meu livrinho de escritos á mão.
Tem a particularidade de ter uma base bastante estranha, mas muito facil de fazer.
Massa:
2 copos de Farinha
3/4 do copo de leite
1/4 do copo de óleo
Recheio:
2 copos de abóbora cozida
1 copo de açúcar amarelo
1 colheres chá de canela
1 colher de café de noz moscada
2 Ovos
1 copo de leite gordo (usei meio gordo)
1 colher sopa margarina (esqueci-me dela e não lhe senti a falta)
Natas para chantily q.b.
Preparação:
Para a massa bate-se o leite com o óleo até ficar espesso.
Mistura-se a farinha com um garfo e faz-se uma bola.
Forra-se uma tarteira com esta massa, a textura fica tipo esponjosa, muito maleável e eu estico-a na propria tarteira com as mãos.
Para o recheio
Para encher dois copos de puré de abobora costumo cozer meio kilo já descascada.
Depois de cozida e muito bem escorrida a abóbora, tritura-se com a varinha ou passe-vite e mistura-se com os restantes ingredientes, eu adicionei-os pela ordem que os escrevi, mas não parece que tenha grande importância
Deita-se na tarteira e vai a cozer em forno bem quente.
Serve-se fresca coberta de chantily.

Desta vez esqueci-me do chantilly de proposito, porque o jantar já ia ser calórico e gordo quanto baste.